sábado, 26 de janeiro de 2013

Magnetismo: o campo de energia universal


O fenômeno energético natural não surgiu com Mesmer, essa prática remonta a eras imemoriais. Os sacerdotes dos Deuses, na Mesopotâmia, os curandeiros já utilizavam desse poder energético físico, associado chás e outros ritos cerimonial religiosos para curar diversos enfermidades orgânicas. No antigo Egito já praticavam nos seus templos essas técnicas, levando a cura a seus seguidores e iniciados, algumas clãs do sul da África também usavam o poder magnético nas curas físicas e espirituais.


As técnicas e as experiências eram passadas oralmente. Com o passar dos tempos essa experiência foram levadas para a Ásia e para Europa onde despertou interesse de alguns médicos que desejam descobrir a veracidade e como ocorria cura de diversos pacientes. Mas tal prática era contestada pela ciência e, era considerada como prática de feitiçaria e charlatanismo.
No Egito a experimentação do fenômeno energético se verificava em segredo, cujos ensinamentos guardados a sete chaves e, somente tinham acesso ao conhecimento os principais sacerdotes do templo de Isis; dificultando por tanto a sua divulgação.
Entretanto, já no século XV , segundo Medeiros e Albuquerque, se falava com simpatia sobre o magnetismo.
No século XVII,  Van Helmont dava o nome de magnetismo animal. Portanto, Mesmer não foi o criador do fenômeno energético natural, apena aprofundou no assunto através das pesquisas, entrevistas e pode presenciar diversas curas através dessas técnicas milenar. O magnetismo animal foi um novo nome dado pelo Dr. Franz Anton Mesmer,  médico e magnetizador.
Mesmer era um homem curioso, observador e que ao visitar alguns sacerdotes curandeiros pode presenciar fatos curiosos que a ciência não compreendia. Ele dedicou ao estudo e a pesquisa sobre tal fenômeno para comprovar que apesar da polêmica social e científica, há uma resposta positiva sobre os fenômenos magnéticos.  
Afirmava Mesmer “Tudo é atração magnética no Universo”, pregava a influência dos astros uns sobre os outros e sobre os corpos inanimados; o fluido universal é o agente desta influência; os corpos gozam de propriedades análogas as do imã; estas propriedades podem ser transmitidas a outros corpos animados ou inanimados; a moléstia é apenas a resultante da falta ou do equilíbrio na distribuição do magnetismo pelo corpo. 


Hardel, um dos pioneiros do magnetismo afirmava que o magnetismo é uma transfusão de vida espiritualizada do organismo do operador para o do paciente.
Em 1819, surgiram dois notáveis magnetizadores - Barão Du Potet e Charles Lafontaine. Em 1841, o médico inglês Braid, impressionado com as experiências magnéticas de Lafontaine lançou as bases do hipnotismo moderno, o que, sem dúvida deriva diretamente de Mesmer.
Mesmer, embora materialista baseasse sua teoria no fluído universal, conforme sua afirmativa, “é de uma sutileza sem comparação o que penetra todos os corpos. Essa matéria sutil é o agente do magnetismo”.
A questão do fluido é de importância capital porque demonstra a existência no ser humano de um princípio espiritual independente da matéria, assim afirmava Dr. Ed Bertholet.
Leon Denis em sua obra, "O problema do ser do destino e da dor", afirma: “Tudo o que está em nós, está no Universo e tudo que está no Universo está em nós, o homem acha-se ligado à imensa teia da vida Universal”.
A primeira apresentação pública das ideias de Mesmer foi feita no dia 27 de maio de 1766, na Universidade de Viena, com a sua tese de doutorado, "Da influência dos planetas sobre o corpo humano". 

Mesmer batizou esse fenômeno energético natural milenar com o nome de magnetismo animal. Ele realizou curas com os “magnetos de Hell” e acabou desenvolvendo uma teoria particular sobre o Magnetismo Animal, acreditando que podia, através de seus magnetos, controlar o fluxo de um certo “fluido universal”, que passaria dentro dos corpos de seus pacientes (e de todos os seres vivos). Nas suas memórias, ele explicava que, para perceber os fenômenos do magnetismo animal, é preciso fazer uso de um novo sentido:
O magnetismo animal deve ser considerado em minhas mãos como um sexto sentido artificial. Os sentidos não se definem nem se descrevem: eles sentem. Seria em vão ensinar um cego de nascença a teoria das cores. É necessário fazê-lo ver, ou seja, sentir [...] Ele deve em primeiro lugar se transmitir pelo sentimento. O sentimento e apenas ele pode tornar a teoria inteligível. Por exemplo, um dos meus doentes, acostumado a provar os efeitos que produzo, tem, para me compreender, uma disposição a mais do que o restante dos homens.” (MESMER, 1781).


Segundo as teorias quânticas, a troca de energia a distância se produz em consequência das ondas eletromagnéticas, que viajam no espaço à velocidade da luz. Tais ondas, constituídas por fótons, atuam sobre as partículas do meio e dos corpos.
A ciência as ondas eletromagnéticas atuam sobre as partículas do meio e dos corpos e, considerando que hoje o pensamento é reconhecido como pulso eletromagnético torna-se clara a força incomensurável com que o pensamento atua sobre os corpos e partículas quando direcionado sob o impulso de uma vigorosa vontade ou desejo.
Nada é estático nos Universos, portanto, tudo vibra (movimento). A vibração do ar gera o vento. A vibração da água gera a onda do mar. Enfim, a vibração de algo gera automaticamente Ondas Vibratórias que por si carregam (transportam) Energias correspondentes ao causador. As ondas têm diferentes formas, comprimentos e frequências.
O nosso corpo físico está repleto de energia, podemos doar a nossa energia magnética para curar alguém independente onde o enfermo estiver, usamos a nossa energia para atrair o que desejamos, isso é poder que está presente em todo o ser humano.


Do ponto de vista da física quântica, a força é o agente atuante, sendo que a resultante desta atuação provoca algum efeito, em termos de energia. Em outros termos, quando a Força é aplicada (causa), gera-se Energia (efeito). Se a Força atuar na velocidade, temos a Energia Cinética. Se uma força sustentar um objeto elevando-o do solo, temos a Energia Potencial (em função também da Gravidade). Se uma força atuar na molécula, temos Energia Molecular. Se atuar no átomo, Energia atômica. Se atuar na Mente, Energia Mental.
Segundo Franz Anton Mesmer (1733-1815), médico austríaco, todo ser vivo é dotado de um fluido magnético capaz de se transmitir a outros indivíduos, estabelecendo-se, assim, influências psicossomáticas recíprocas, inclusive com fins terapêuticos.


Considerando o magnetismo como condutor da vontade e dos pensamentos dos seres pensantes atuando incessantemente sobre as partículas e os corpos, sua ação pode ser benéfica ou maléfica dependendo da fonte que o irradia. Neste caso, a fonte geradora, ou seja, o ser pensante, pode ser comparado a uma usina de eletricidade, os seus pensamentos e sentimentos são como transformadores que graduam, determinam sua potência e qualidade.
A ideia de uma energia universal que impregnou toda natureza foi difundida por vários cientistas ocidentais. Essa energia vital, percebida como um corpo luminoso foi registrada pela primeira vez na literatura ocidental, pelos pitagóricos, por volta de 500 anos a.C.
Sustentavam que a luz produz uma série de efeito no organismo humano inclusive curas psicológicas, físicas e mentais. O receptor dessa energia consegue um bem-estar geral, equilíbrio emocional, leveza e paz interior.


A água é o agente da natureza que mais rápida e completamente absorve os fluidos, e tem a vantagem de não ter contra indicações e ser ingerida com facilidade pelo paciente. Os sacerdotes tinham o hábito de consagrar a água e oferecer aos enfermos. A água magnetizada em uso externo também é surpreendente, podendo ela ser aplicada nas dermatites, ferimentos, erisipelas, queimaduras, inflamações dos olhos, enxaqueca com excelente resultado.


Mesmer pode convencer alguns cientistas com a sua teoria e tenicas curando dezenas de pessoas. Esse assunto é polémico, mas a maioria dos religiosos pagãos, neopagãos, cristãos, xamãs, quiroprático/quiropraxista, massagista, fisioterapeutas, terapeutas utilizam desse fenômeno energético natural milenar para combater diversas enfermidades físicas, psicológicas e espirituais.
A ciência não tem uma comprovação para explicar tais milagres. Surpreendem com diversas curas que ocorrem. O que é impossível para a medicina, é possível para o Uno e para aquele que crê.




Portanto, os avanços tecnológicos nas áreas da Biologia e do Magnetismo, começaram a ser realizados recentemente com mais profundidade. Desse modo, ainda é cedo para se afirmar como os campos magnéticos presentes no dia a dia do ser humano (gerados por telefones celulares, aparelhos eletrodomésticos, veículos, computadores, entre outros) o influenciam e mesmo se eles causam alguma doença ou algum problema para o seu organismo.
Só com o advento de experimentos mais sofisticados que comprovem modelos teóricos confiáveis é que se poderá começar a afirmar algo sobre esse assunto.

Autora: Rainna Tammy


Fonte de pesquisa:



BLAVATSKY, Helena Petrovna.  Doutrina Secreta: a cosmogênese – V.1 – São Paulo: Pensamento-Cultrix,  1995, p. 133 – 139.

BRENNAN, Bárbara Ann. Mãos de luz: um guia para cura através do campo de energia humana. [Tradução: Octávio Mendes Cajado] – 21 ed. São Paulo: Pensamento, 2006. P. 53 – 103.

Cabala, a Tradição Secreta Do Ocidente. Papus, p. 147

QUEIROS, Alíri. A recepção de Freud em Portugal: 1900 – 1956, 2009, p. 23.

MEDNICOFF, Elizabeth. O poder da visualização criativa: conheça a técnica que mudou a vida de milhares de pessoas em todo o mundo! - São Paulo: Universo dos livros, 2007, p. 22 - 24.