sábado, 28 de janeiro de 2017

Escravidão tecnológica dominando o mundo



Autofobia/monofobia é uma doença psicológico e psíquico da Nova Era. O medo de ficar sem comunicação virtual, medo de ficar incomunicável com personagens dos jogos eletrônicos, consegue inúmero de amigos virtuais, mas sempre está sozinho. A tecnologia oferece prazer e satisfação momentâneo, mas a consequência ao ser humano é gravíssima porque tornou escravo dos produtos eletrônicos, sem controle de livrar dessa mania do celular, tablete, notebook, jogos eletrônicos, novelas, rede sociais acabam perdendo tempo ficando horas utilizando esse instrumento de forma errônea.
O uso constante de dispositivos eletrônicos interfere na vida das pessoas de forma geral. Lares tem sido desfeitos, as crianças são esquecidas pelos pais, crianças tem deixado de brincar, aumentou o isolamento familiar, acidentes com mortes vem ocorrendo todos os dias, as bibliotecas sem leitores têm tornado museu esquecido, o lazer tornou coisa do passado, a pesquisa e a leitura de livros de Autoconhecimento foi abandonado. O ser humano passou usar celular para falar com Deus, médiuns em transe usam celular para tratar de diversos assuntos.  Se essa moda pegar haverá médium que vai usar celular para comunicar com o mundo astral e alguns guias espirituais vão usar celular no momento da consulta. Os clientes terão que ter paciência, esperar o guia finalizar a conversa para ser atendido. Imagine se os líderes religiosos dissessem: Vamos orar meus irmãos, peguem os seus celulares para falar com Deus. Todos pegassem o celular e falassem ao mesmo tempo. Seria uma situação constrangedora, pois cada indivíduo iria falar mais alto e geraria uma poluição sonora ocasionando perca da audição parcial ou total.









Autofobia, síndrome que a ameaça ou sabota as relações familiar e profissional ferindo violentamente fisicamente, moralmente, emocionalmente e mentalmente. Também pode manifestar afastamento do convívio familiar, perde o interesse de organizar as coisas, alimentar pouco ou alimentar convulsivamente, pode levar a uma depressão profunda. 
O ser humano pode gozar das tecnologias que vem surgindo no mundo globalizado com sabedoria e com cautela.
Nunca deixe um marketing de anúncios e propagandas influenciar o seu emocional porque acabará comprando por impulso.
Programe um horário para verificar as mensagens do celular, para ficar nas redes sociais, para ficar na net, para assistir programa de televisão, para diálogo com a família, para ouvir as pessoas que estão próximas, para curtir a natureza, ser feliz e alegre.
Guarda o celular na gaveta por algumas horas para estar com a família. Presentei os seus filhos com livros e brinquedos construtivos com atividades educativas, programe horário dos seus filhos na internet, procure brincar e ouvir os seus filhos.
Mas se caso for extremo que não consegue ficar nem um minuto sem o celular ou outros aparelhos tecnológicos de comunicação deverá procurar urgentemente um psiquiatra da sua confiança para de orientar, encontrar estratégia para se libertar dos aparelhos de comunicação e se for preciso irá receitar um medicamento que possa ajudar a superar. O especialista poderá indicar um psicólogo a fim de associar o tratamento com terapias individual e em grupo para reprogramar e disciplinar o cérebro. O professor de Educação Física irá trabalhar o postura adquerida durante a escravidão tecnológica. A coluna é a parte mais afetado, seguida vem a má circulação sanguínea e depois a visão. O tratamento não fica barato e quem depende do SUS (Sistema Única de Saúde Pública do Brasil) poderá aguardar um bom tempo para receber o tratamento.
Você que é empresário contataria um funcionário que é escravo da tecnologia? Caso a pessoa fosse contratada será que haveria produção, rendimento no trabalho e atendimento vip dos clientes? O empresário pode adotar uma regra do não uso do celular durante o trabalho, mas nada vale porque o celular continuará presente e funcionando na mente. Nessa viagem tecnológico mental o empregado irá vacilar constantemente, a percepção e a criatividade  reduzem. A ausência do celular pode ocasionar desiquilíbrio emocional e não consegue ter foco. Ao pegar o celular começa a viagem virtual e não consegue ver as excelentes oportunidades, torna cego e mudo com as pessoas que estão próximas.Vive num mundo solitário e ilusório.
Você namoraria ou casaria com uma pessoa escrava do celular? Se ambos forem escravos do celular o casamento logo acabaria e os filhos frutos desse relacionamento ficariam órfãos de pais vivos.
Alguém contraria um advogado para defender a sua causa judicial se fosse escrava do celular? Caso contratar poderá ter certeza que já perdeu a causa.



Autora: Rainna Tammy