quarta-feira, 9 de maio de 2018

Inversão dos polos magnéticos da Terra e os seus eventos



Inversão magnética é um fenômeno natural que ocorre entre os astros. A inversão do polo magnético da Terra já vem passando por processo de mudança desde de 1840 de forma gradativa, mas atualmente essa mudança tem acelerado ocasionando preocupação. O vento do Sistema Solar e a passagem do astro Nibiru poderá acelerar essa mudança e culminar com eventos sísmicos severos. O Nibiru não vai chocar com a Terra, mas ao passar km de distância a sua grande força magnética poderá causar catástrofe global. Os Continentes que está sendo mais afetados com enfraquecimento do eixo é a América do Sul, Sudoeste da África do Sul e parte do Pacífico. A diminuição do campo magnético terrestre vem ocasionando síndrome da escassez magnético e síndrome da interferência magnético artificial nos seres vivos. Todas as almas sentirão essa mudança no corpo biológico, corpo psíquico e no corpo psicológico. Tais mudanças poderá alterar o comportamento e a genética.
Vários países vêm preparando para qualquer evento catastrófica que possa ocorrer constrindo abrigo subterrânea e Arca Apocalipse para armazenar sementes e alojar famílias.
Em Moscow - Rússia foi construído o Ark Hotel é, uma versão da Arca de Noé, moderna, hiper-resistente e sustentável. A estrutura é capaz de resistir não só a dilúvios, mas também a outras catástrofes naturais.


Com essa mudança muitas civilizações submersas nas geleiras poderão reaparecerem e os mistérios da Terra serão reveladas. A história será vista de outro ângulo.


Ninguém sabe exatamente a data e nem o horário do possível acontecimento desse fenômeno, mas temos que ficar preparados para esse evento. Não ficar com medo, mas encarar o fato como experiência única desta geração.
O mundo não irá acabar e nem a humanidade será extinta, mas deve ficar em alerta para que a sua vida não corra nenhum risco da morte biológica.

Autora: Rainna Tammy

segunda-feira, 26 de fevereiro de 2018

Evolução humana: o homem de Cheddar



Estima-se que o "homem de Cheddar" migrou da Europa continental para as ilhas britânicas ao final da Era de Gelo.
Segundo o pesquisador, Víctor Acuña, professor da Escola Nacional de Antropologia e História do México, os negros africanos de olhos azuis migraram para regiões no Norte do planeta, a atual Britânia. Sua permanência num lugar frio e os raios solares escassos começaram a perder a pigmentação da pele e os seus cabelos ficaram soltos, ou seja, os cabelos cacheados foram ganhando nova forma tornando lisos e louros. A pigmentação da pele é uma proteção natural contra possíveis queimaduras e doenças de pele.
Em 1903, na Inglaterra foi encontrado restos mortais de um homem que viveu por volta de 10.000 anos atrás numa caverna na região próximo de Cheddar com perfil modificado: pele escura e cabelo liso.


Se existiu vários Adãos e várias Evas com características diferentes essa tese de negro ficar branco poderá cair por terra.


Até o presente momento não há uma verdade absoluta nas teorias científicas, apenas hipóteses. Tudo pode modificar e tudo evolui seria na questão de comportamento, conhecimento, atitude e moralmente. O DNA permanece para descobrirmos a nossas características, origens e história.
Eu acredito que o planeta Terra foi povoado por seres humanos com características diferentes. África se tornou berço da humanidade porque foi o que mais evoluiu e se destacou na época. Outras tribinagem estiveram ocultas, mas já existiam em várias partes do planeta. Acredito que os criadores dos humanos vieram de várias galáxias. Cada alienígena criou o humano com característica e semelhança do seu Criador e do seu povo. Provavelmente, esses Deuses Criadores é uno apenas para seu povo. Justificando os diversos títulos e nomes de Deuses da Criação humana. Talvez seja essa razão da presença de diversos alienígenas nos discos voadores vigiando o seu espaço e seu povo na Terra.


Autora: Rainna Tammy

terça-feira, 2 de janeiro de 2018

Chapada dos Guimarães-MT paraíso esquecido pelas autoridades



A fundação oficial do núcleo que originou o atual município de Chapada dos Guimarães deu-se no ano de 1751.
Por volta de 1722, o paulista Antônio de Almeida Lara juntamente com a sua equipe de homens aventureiros foram os primeiros habitarem nesta região. Apropriou das terras abrindo a sua fazenda, depois engenho do Buriti. Lara chegou a Cuiabá em 1720 numa das levas de bandeirantes pioneiros. Em 1721, como fazia pesquisas auríferas Rio Coxipó acima, tudo leva a crer tenha sido ele um dos fundadores do Arraial da Forquilha.
A primeira denominação foi Sant’Ana da Chapada, nome da célebre missão dos jesuítas comandada pelo padre Estevão de Castro. Mais tarde, o nome foi alterado para Chapada de Cuiabá. Não demorou muito e o nome foi novamente modificado, desta feita para Sant’Ana da Chapada de Guimarães.


Nesta ocasião governava a Capitania de Mato Grosso o Capitão General Luiz Pinto de Souza Coutinho - Visconde de Balsemão, que, acatando sugestão de portugueses naturais da cidade de Guimarães, acrescentou à denominação de Sant’Ana da Chapada o termo "de Guimarães". Outra fonte dá o termo como homenagem ao Duque de Guimarães, por imposição do mesmo Visconde de Balsemão.
Em 1814, o povoado foi elevado à categoria de Freguesia. Através da Lei Provincial nº 219 de 11 de dezembro de 1848, a localidade transformou-se em Distrito Administrativo. O Distrito de Paz de Chapada foi criado em 1875.
O município, com o nome de Chapada dos Guimarães, foi criado em 15 de dezembro de 1953, através da Lei Estadual nº 701.
Em 1994, a Assembleia Legislativa de Mato Grosso pretendeu retornar à denominação de Chapada dos Guimarães para Chapada de Guimarães. A lei foi vetada pelo executivo permanecendo Chapada dos Guimarães.
Este paraíso natural atualmente encontra abandonada pelas autoridades. A pequena cidade pacata não possui escolas públicas de qualidades, não tem faculdade, não há uma escola profissionalizante, nem especialistas na área da medicina, não há incentivos para empreendimentos, sem fiscalização ambiental, moradia residencial no Parque Ambiental, o único correio não faz entrega das correspondências e nem de produtos. Os moradores não têm documentação do seu imóvel, valor dos imóveis para comprar tem preço exorbitantes fora da realidade do mercado, a única praça da cidade é amontoados de camelos que tentam sobreviverem vendendo artesanatos aos turistas que passam. Grandes números de pessoas desempregados atingiram no máximo o ensino médio e não são qualificadas. A minoria das pessoas de classe A e B tem outra moradia na capital de Cuiabá, colocam os filhos para estudarem nas melhores escolas e fazem tratamento médico na capital. Enquanto que pessoas de baixa renda ficam aguardando pela promessa política de um dia melhor.
A maioria da população fica no comodismo e mantém em silêncio porque os políticos manipulam promovendo eventos que alegram momentaneamente os moradores. Festas populares...
As autoridades podem oferecer qualidade de vida melhor para os chapadenses e os turistas sem danificar o ecossistema.

Autora: Rainna Tammy